Valter Carretas Advocacia

Arquivo

Médicos prometem ir à justiça para usar hormônios contra o envelhecimento

Especialistas formam sociedade para defender a prática, proibida pelo Conselho Federal de Medicina por falta de “evidências científicas”

Os médicos reagiram à proibição do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre o uso de hormônios para retardar o envelhecimento. Em comunicado, um grupo de especialistas afirmou que vai recorrer à justiça para conseguir praticar a chamada medicina “anti-aging”.

Nesta sexta-feira, 19, o CFM publicou no Diário Oficial da União que proíbe o uso da terapia hormonal para “ retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento”, por falta de evidências científicas e riscos não mensurados. Segundo a publicação, o médico que insistir na utilização pode ter o registro profissional cassado.

A determinação coincide com a realização de um congressoem São Paulo justamente para divulgar as técnicas hormonais para manter a juventude. Por isso, a organização do evento produziu um comunicado dizendo que na próxima segunda-feira, será oficialmente lançada a Sociedade Brasileira para Estudos da Fisiologia (Sobraf).

O advogado Valter Carretas, que representa a Sobraf, afirmou na nota que “lançaremos mão de instrumentos judiciais para garantir que nossos médicos associados possam atuar de acordo com seus direitos de praticar livremente a medicina, em benefício da saúde humana.”

Além disso, diz o texto, que será atribuição da Sobraf esclarecer alguns aspectos da nova resolução do CFM.

“Ao proibir ‘a prescrição de tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal para prevenir a perda funcional da velhice, doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável, o CFM não apenas atinge os médicos que praticam anti-aging, mas também especialidades que se utilizam dos hormônios para a redução das comorbidades do envelhecimento”, afirmou no material o médico ginecologista Ítalo Rachid, que ocupará o cargo de presidente da Sobraf.

Geriatras falam sobre a medicina antienvelhecimento

“É o caso dos ginecologistas, que repõem o estradiol na menopausa para prevenir a perda de massa óssea, melhorar a lubrificação vaginal e a sexualidade feminina; andrologistas e urologistas, que prescrevem testosterona, largamente utilizada em todo mundo para melhoria da composição corporal, redução do percentual de gordura e melhoria da insulina, uma vez que nenhuma dessas são doenças, mas condições clínicas que podem levar a doenças”.

O geriatra Jorge Jamili, que assumirá o cargo de vice-presidente da entidade, acrescenta que “as práticas anti-aging são adotadas para promover o envelhecimento saudável, não barrá-lo”.

Fonte: Portal IG

Tagged , , ,

Compartilhe

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


*

TAGS