Valter Carretas Advocacia

Arquivo

Morte de Dr. Jaldo encerra ciclo farmacêutico

Morte de Dr. Jaldo encerra ciclo farmacêutico

Data: 03/02/2014

A morte do Ex-Presidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Jaldo de Souza Santos, na tarde de hoje (03.02.14), em Goiânia, encerra um ciclo da história da Farmácia, no Brasil, e deixa de luto toda uma categoria profissional. Farmacêuticos e amigos de todo o País estão deslocando-se para Goiânia, para participar dos funerais. Souza Santos exerceu a profissão desde 1955, quando, ainda recém-formado, adquiriu a modesta Farmácia do Povo, numa rua central da capital goiana.

Ser um farmacêutico proprietário de farmácia era o grande sonho de sua vida, enfatizava. Pioneiro no bairro, o estabelecimento transformou-se numa referência em saúde, num tempo em que havia poucos médicos, na cidade. “Eu atendia por dever, por prazer, por sacerdócio”, costumava dizer.

Mas, ali na farmácia, o jovem Souza Santos, também, começava a articular sua incursão na política farmacêutica. Disse que sofreu na pele a ação do interesse financeiro, que buscou rebaixar o medicamento à condição de mercadoria e transformar muitas farmácias em mercearias. “Foi, aí, que eu parti para liderar o movimento de recuperação da profissão, de projeção do farmacêutico como profissional imprescindível aos sistemas público e privado de saúde”, explicou, numa entrevista.

Ajudou a implantar o Conselho Regional de Farmácia de Goiás, do qual foi Presidente. Depois, se elegeu, por sete vezes seguidas (de 1998 a 2011), Presidente do CFF. Souza Santos teve papel importante na elaboração e consolidação da política de medicamentos genéricos, e sua principal bandeira à frente do Conselho Federal foi a defesa da assistência farmacêutica plena.

INTERNACIONAL – Em suas gestões, ele aproximou o CFF dos principais organismos farmacêuticos internacionais, política que culminou com a filiação do órgão à FIP (Federação Internacional de Farmacêuticos), em 2001. Cinco anos mais tarde (de 25 a 31 de agosto de 2006), o Brasil já sediava um Congresso FIP, em Salvador (BA), atraindo 2.500 farmacêuticos do exterior e mais 500 brasileiros. Com isso, o Brasil entrava na rota da sede dos principais eventos farmacêuticos científicos do mundo, antes, restrita aos Estados Unidos e Europa. Dr. Jaldo de Souza Santos argumentava que a inclusão do País no roteiro de grandes congressos internacionais reforçaria o processo de atualização científica dos farmacêuticos brasileiros.

Em janeiro de 2008, Souza Santos reuniu-se com o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto. Levava uma homenagem (a Comenda do Mérito Farmacêutico Internacional) ao Presidente, mas acabou quebrando o protocolo e, diante de todos, reivindicou a participação dos farmacêuticos no SUS (Sistema Único de Saúde). A resposta ao seu apelo veio, três dias depois, quando Lula mandou publicar a Portaria 154, do Ministério da Saúde, criando os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs), um dos espaços de atuação dos profissionais dentro do Programa Saúde da Família.

O corpo de Dr. Jaldo de Souza Santos será velado, na Igreja Presbiteriana do Bairro Vila Nova, das 22 horas de hoje às 15 horas de amanhã (04.02). Em seguida, será sepultado, no jazigo da família, no Cemitério Santana (Avenida Independência, Quadra P-89, Setor dos Funcionários), em Goiânia.
Autor: Pelo jornalista Aloísio Brandão, Assessor de Imprensa do Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Compartilhe

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


*

TAGS